O condomínio não pode parar: gestão criativa em tempos de crise

O condomínio não pode parar: gestão criativa em tempos de crise

Organização, criatividade e assertividade ajudam os condomínios a combater os vilões do caixa, colocar as contas em dia e ainda implantar novas ações para o futuro.

O termo “crise” tomou conta dos noticiários, cofre das empresas e bolso dos brasileiros. A alta da inflação e o aumento no valor dos produtos essenciais, somados ao desemprego crescente, têm feito com que a inadimplência passe a fazer parte da rotina da população. Nos condomínios a situação não muito é diferente, mas os serviços não podem parar, caso contrário a vida dos moradores pode ser afetada, cedo ou tarde – seja por um equipamento quebrado por falta de manutenção, ou por adiar o pagamento de determinada despesa que resulta em juros, alimentando uma bola de neve que fica cada vez mais difícil de ser remediada.

Parece difícil manter as contas em dia e a estrutura funcionando nesse contexto, mas não é. Organização, criatividade e assertividade podem trazer resultados rápidos e estabilidade financeira ao condomínio. E mais: as épocas de crise servem para aprimorar processos que antes causavam gastos desnecessários, evitando desperdícios e criando uma nova postura, sem que seja necessário cortar serviços importantes do dia a dia. Passada a crise, as boas ações permanecem, tornam-se procedimentos-padrão e ajudam a dar um bom fôlego ao caixa em tempos amenos.

O primeiro passo: combater a inadimplência

Assim como em uma empresa, o condomínio não pode gastar mais do que arrecada. Sendo assim, se as contas ordinárias não estão fechando, o primeiro passo é avaliar o índice de inadimplência do condomínio. O assunto é delicado, mas merece atenção especial para que as taxas de juros não acabem prejudicando os próprios moradores – inclusive os devedores. “Se houver uma inadimplência de 10%, por exemplo, todos estarão pagando 10% a mais de taxa condominial”, explica Rodrigo Karpat, advogado especializado em direito condominial.

Para lidar com a inadimplência, o advogado sugere que os devedores sejam, antes de tudo, classificados da seguinte maneira: devedores contumazes (que deixam de pagar constantemente um ou outro mês, mas sempre acertam o débito), devedores de até 12 meses de atraso e devedores de valores maiores. Para os contumazes, Rodrigo sugere que seja feita uma política enérgica de reeducação e envio do caso a um escritório de advocacia, para cobrar de forma extrajudicial com acréscimo de 10%. “Com o acréscimo, começa a não valer a pena para o devedor contumaz deixar de pagar o condômino no período correto”, diz.

Para os devedores recentes, “uma tentativa de acordo pode surtir efeito, caso contrário deve ser distribuída a ação de cobrança”, e para os casos mais antigos, “deve haver a imediata distribuição da ação de cobrança, caso ainda não tenha sido feita. Se já, o andamento deve ser analisado, solicitando sempre os relatórios com o advogado da causa”, orienta.

Quando a contadora Pricila Furtado iniciou sua gestão como síndica do Edifício Peter Pan, no bairro Coqueiros, em Florianópolis, o grande problema era exatamente esse: inadimplência. “O prédio tem dez apartamentos, então se um deixa de pagar, não é possível fazer a quitação das contas”, relata Pricila, ao contar que conseguiu estabilizar a situação apenas com muita conversa. “Hoje tenho 100% da receita do condomínio”.

Assim como ela, o síndico Helton Luiz Pereira, do Cezarium Residence Club, no Campeche, também opta por uma postura proativa antes de levar os casos para a Justiça. “Tenho por hábito caminhar pelo condomínio com a listagem de inadimplentes no bolso, e buscar uma conversa amigável e transparente com o devedor sempre que o encontro”, comenta Helton, que também tem como rotina alertar os moradores que ainda não pagaram a parcela mensal por e-mail no início do mês, e com outro e-mail e também carta impressa no final do mês. “Às vezes o pagamento não é feito por esquecimento”.

Quando o mês se encerra, o síndico coloca a administração e contabilidade à disposição para a emissão do novo título. Além disso, o condomínio acrescentou no regimento interno algumas ações que favorecem a cobrança, mas antes de aplicá-las procura esgotar todas as formas de comunicação com o condômino.

“Na maioria das vezes, o morador inadimplente tem as suas razões para não ter efetuado o pagamento e não procura a administração por vergonha. Então, uma comunicação amigável e transparente facilita a relação e faz com que o devedor entenda que o condomínio também tem suas obrigações e que aquela parcela é importante para honrá-las”, diz o síndico.

Medidas restritivas aos condôminos devedores foram adotadas no condomínio Nara Cristina, no bairro Campinas, em São José. Segundo a síndica Maria Cristina Gama Deça, o regimento interno prevê a proibição do uso de áreas comuns, como academia, piscina e salão de festa. Além disso, a convenção autoriza o corte de água e gás da unidade. “Inadimplência sempre vai haver e penso que os síndicos precisam ter meios eficazes de combatê-la”, relata Maria Cristina, que também aconselha o apoio de uma boa empresa na área de cobrança.

As contas ainda não fecham! O que fazer?

Enquanto são tomadas as medidas em relação à inadimplência, é preciso avaliar um ponto importante: ainda que as taxas estejam em dia, por que as contas não estão fechando? Nesse momento, é hora de rever todos os gastos ordinários e contratos não ordinários que já foram assumidos e buscar a melhor maneira de quitá-los, além de adiar investimentos programados para um melhor momento. Aqui ainda deve ser levado em conta um quesito importante: a reserva do caixa serve apenas para obras ou emergências, pois imprevistos acontecem, e muito.

Se o saldo continuar negativo, o erro pode ter sido cometido já no cálculo da previsão orçamentária. Fazer a revisão costuma se tornar um drama, mas é preciso encarar essa empreitada para normalizar a situação. “As previsões orçamentárias precisam ser revistas no mínimo anualmente caso sigam os aumentos de despesas no período. Não reajustar ou não trazer o valor para o que realmente se gasta pode representar o uso de dinheiro destinado a outra finalidade, como o fundo de reserva ou de obra”, alerta o advogado Rodrigo.

Rodrigo ainda destaca a necessidade de incluir o 13º e dissídio na previsão, além de um fundo de reserva de, no mínimo, uma arrecadação. “A previsão orçamentária bem feita é essencial para que os condôminos se planejem e não existam surpresas desagradáveis no decorrer do ano. E mesmo com a previsão bem feita, podem ocorrer situações imprevisíveis, como a quebra de um cano ou a necessidade de uma indenização trabalhista”, frisa.

Rever a previsão orçamentária deu certo para Pricila e Helton, o qual viu o caixa quase zerado quando assumiu a gestão, com dificuldades inclusive para pagar os funcionários. Para reverter a situação, ele fez uma auditoria geral nos últimos balancetes e percebeu que a taxa condominial não estava pagando os custos básicos do condomínio. Além disso, muitas compras haviam sido feitas de modo parcelado e estavam consumindo a verba das contas ordinárias.

“Infelizmente existem decisões que precisam ser tomadas, então propusemos uma chamada de capital para honrar as parcelas da obra, e um aumento da taxa de condomínio de 20%”, relata o síndico, ao destacar que foi estabelecido um canal de comunicação com todos os moradores, com muita transparência sobre a situação financeira. “Pedi e, felizmente, todos foram pacientes, pois precisaríamos de um tempo para chegar a um equilíbrio”, conta Helton, que conseguiu normalizar o quadro. E ficou a lição: compra parcelada somente com muito controle e em hipótese alguma devem ser sobrepostas.

Falta de manutenção: o vilão dos cofres

A necessidade de manutenção dos equipamentos é um assunto recorrente, mas nunca é demais relembrar: consertar é mais caro que preservar e o barato sai caro na hora de escolher uma empresa. “É preciso lembrar que os prédios e equipamentos têm depreciação e vida útil, então não dá para acreditar que você irá passar um ano todo sem precisar fazer manutenções”, comenta o síndico Helton.

A contratação de empresas idôneas, por sua vez, ajuda a evitar gastos com possíveis problemas em manutenções, obras ou reparos. Para isso, o advogado Rodrigo indica a consulta junto à associação comercial a que pertence o prestador, e a verificação de possíveis processos, no Serasa ou Tribunal de Justiça. Além disso, os síndicos aconselham muita pesquisa e a atualização constante junto ao mercado. “Muitas vezes o menor orçamento não é o melhor”, destaca Pricila.

Escolhida a empresa, muita atenção na hora de fazer o contrato. “Um contrato bem feito, que preveja o maior número possíveis de variáveis, auxilia na resolução de problemas, caso ocorram”, frisa Rodrigo, ao citar que devem estar no documento cláusulas que especifiquem os serviços a serem realizados, cronograma de execução, não subordinação de funcionários da obra – para que não gere vínculo empregatício ao condomínio -, exigências de seguro, verificação do registro dos trabalhadores, obrigatoriedade de Equipamento de Proteção Individual (EPI), entre outros. “Tudo isso torna o contrato mais seguro e protege o condomínio”.

Funcionários: reter talentos evita gastos

Um dos maiores custos dos condomínios é com os funcionários, tanto pelos encargos trabalhistas quanto pelas frequentes ações judiciais. Sendo assim, esse é um ponto que merece destaque quando o assunto é economia e, para analisá-lo, a primeira pergunta a se fazer é: o número de funcionários extrapola as reais necessidades do edifício? Respondida essa questão, o próximo passo é verificar se todos os processos estão sendo feitos de maneira correta, entre eles o pagamento de horas extras, intervalo de almoço, “caso contrário, podem gerar um passivo trabalhista muito grande ao condomínio”, alerta o advogado Rodrigo.

Feito isso, o síndico deve observar de perto se o funcionário está satisfeito, de forma a reter os talentos e evitar gastos com rescisões, além de acompanhar horas extras excessivas. “O investimento no funcionário não é apenas no salário. Os funcionários levam em conta também o ambiente de trabalho, instalações, refeitório e tratamento dos superiores e demais moradores”, destaca Rodrigo. Ele cita ainda que podem ser oferecidos programas de qualificação por meio de treinamentos: “existe um campo enorme para que o síndico possa trabalhar e reter os talentos, sem que seja exclusivamente na questão salarial”, acrescenta o advogado.

Essa valorização é adotada pelos síndicos Helton e Pricila, que destacam a boa gestão e tratamento pessoal. “Se você olha o funcionário apenas como custo, muito provavelmente não conseguirá criar um ambiente de trabalho onde ele se sinta bem, e provavelmente irá pagar o mínimo necessário por esse trabalho, que favorecerá a rotatividade”, diz Helton, ao observar que o colaborador satisfeito produz mais, desperdiça menos e consequentemente fica menos propenso a ações judiciais. Ele, no entanto, salienta que a relação é profissional, por isso não pode haver pagamentos por fora e gratificações não contabilizadas, por exemplo. “Tudo deve estar no papel e arquivado em local correto, pelo tempo necessário”.

Crises para evoluir

Com os procedimentos-padrão revistos e normalizados, a economia se torna um hábito e traz inúmeros benefícios à vida no condomínio. O corte de gastos excessivos, como os de água e energia, surge ainda como um ponto positivo para preservar não só o bolso, mas também a natureza. No condomínio da síndica Pricila, passou-se a lavar menos a garagem, o que resultou na diminuição da conta de água, enquanto no edifício de Maria Cristina há uma cisterna de reuso, utilizada para molhar o jardim e higienizar áreas comuns.

“Os investimentos em melhorias e inovações só devem ser considerados após se ter a garantia que podemos conservar o que já temos. Encaro a função de síndico como uma prestação de serviços à comunidade onde vivo. Os problemas sempre aparecem, mas é necessário encarar, relacionar as prioridades e resolvê-las, uma a uma. Sempre com transparência, que é o melhor aliado”, finaliza Helton.

Para deixar as contas em dia

– Adquira material de limpeza, para jardins e outros insumos diretamente com fornecedores especializados em condomínios, isto pode gerar uma economia de 40%

– Não pague nada fora do prazo e evite juros. Sempre tenha uma reserva técnica para emergências e adote uma postura proativa de combate à inadimplência, esta compromete o fluxo de caixa e aumenta a cota

– Exerça uma gestão responsável: assim como no orçamento de uma empresa, o condomínio não pode gastar mais do que arrecada

– Funcionários: fique de olho nas horas extras. Em excesso, elas encarecem o condomínio. Evite a rotatividade de funcionários, pois isto ajuda a reduzir gastos com rescisões e até mesmo com ações trabalhistas

– Promover a economia na contratação de serviços não é escolher o serviço mais barato. O barato sai caro, já diz o dito popular

– Faça uma boa escolha da empresa que vai prestar serviço ao condomínio utilizando bons materiais e contratando profissionais
habilitados. Serviço bem feito dura mais tempo e não é necessário o retrabalho, fantasma que paira sobre os síndicos

– Na contratação de serviços exija o responsável técnico e verifique o histórico da empresa.

 

Fonte: CondomínioSC

Tudo sobre comissão de obras em condomínio
18 dicas para varandas pequenas
25 de julho de 2018
Não escorregue na segurança ao decorar sua casa
Regras para uso das áreas comuns
Acabe com a bagunça em casa: dicas para organizar o espaço
Vem aí o CPF do imóvel: entenda o que é e como vai funcionar

Nenhum Comentário

Deixe um Comentário